Blog pessoal de Ana Paula Motta

Sexta-feira, 31 de Maio de 2013

Abriu a porta e recebeu com náusea o ar infestado de solidão. Matou a escuridão com um toque no interruptor.


Chegava sempre exausta das aulas menos pelo esforço intelectual que pela ausência dos seus. O apartamento minúsculo e impessoal não ajudava a melhorar o ânimo.


Despejou na mesa as compras, alimentos em quantidade muito grande para quem vivia só. Começou a preparar meia receita de pizza. Farinha, água, sal, açúcar, azeite e meia saqueta de fermento. Não era mulher de metades.


Pôs a mesa, foi recolher as roupas no varal, enquanto a massa descansava desanimada. Esticou a massa,assou, colocou a cobertura de queijo, rúcula e tomate.


Sentou-se à mesa, engoliu seco e resolveu mudar de lugar. Ligou o computador e sentiu um frio estômago, na tela a mensagem: “Minha família chamando”. Sorriu ao ver os três filhos espremidos em frente à câmera, ofereceu um pedaço da pizza de rúcula. Recusaram com uma careta e responderam de pronto: “Papai fez lasanha à bolonhesa.”.


O marido, até então só visto pela metade, se abaixou e despejou toda saudade numa frase: “Quando esse curso termina?”


Depois das despedidas, nem se animou em lavar a louça. Mergulhou num banho quente e deixou as lágrimas rolarem.

Mais seis meses... só.

tags: ,
publicado por Ana Paula Motta às 21:48
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 21 de Maio de 2013

A tristeza era maior quando não tinha seu par para aquecer os pés gelados. Não tê-lo por perto já seria motivo para certa melancolia, mas na estação do sol tudo era mais ameno. Teria a luz, o calor, o mar e de certeza a casa cheia.


Adorava aquela casa grande, cercada pela varanda, as portas e janelas azuis quase sempre abertas. Era assim durante os dias quentes. Coberta de luz alaranjada e de sons familiares.


Quando o inverno chegava o mar ficava zangado e parecia rosnar. O vento sul cortava os ossos, os filhos e sobrinhos estavam longe. Nos dias gelados só conseguia sobreviver em par, a semana sozinha ia ser dura.


Tinha medo. Cercar-se-ia de livros, filmes, pacotes de sopa, o cão e os gatos. Se tivesse sorte traria a tia Violeta e suas agulhas de tricot. Cinco dias no bunker à beira-mar.

 

sinto-me:
música: Inverno- Vivaldi
publicado por Ana Paula Motta às 05:03
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


últ. comentários
Há sonhos que não esquecemos e outros que sim, tal...
Por que razão os sonhos mais belos se esfumaçam? e...
Por que razão os sonhos mais belos se esfumaçam? e...
Bonito...
Rs, muita tinta
Sofre do mesmo pânico: os espelhos e os fios branc...
Obrigada, pela visita. O filme é mesmo muito bom.
Já vi e adorei o filme :)
Obrigada, Aninha. O que seria de mim sem as amigas...
Amanhã é um outro dia e o sol volta a brilhar, que...
Gosta de escrever textos sobre e Televisão? Tem id...
Wal , sempre tão atenciosa e carinhosa e eu em fal...
A doce Aninha enfeitando minha tarde de domingo.Bj...
Aninha, esse micro conto nasceu de lembranças e ta...
Haja o que houver, essas duas lágrimas fujonas são...
Shayana, obrigada pela visita e pelo comentário. B...
Ana gostei muito...
Um dia Ana, tb acredito nisso :-)um abraço deste l...
Wal sempre tão atenciosa e carinhosa nos comentári...
Partilhar no Facebook
Partilhar
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro