Blog pessoal de Ana Paula Motta

Sábado, 26 de Abril de 2014

Hoje em conversa com uma colega lembrei de uma discussão que tive há uns três anos por conta de um vale-cultura pago pelo governo aos docentes. Na ocasião eu me colocava contra a posição do  sindicato em relação ao benefício, quando a discussão esquentou uma das pessoas envolvidas me disse em tom entre o irônico e o de acusação: "Você nasceu com um livro na mão!" Respondi ao exagero dizendo que eu lutava para que todos pudessem também nascer com um livro ao alcance.

 

Não, eu não nasci com livros nas mãos, mas minha memória da  relação com eles é bem remota,; quando tinha três para quatro anos, minha irmã rasgou um livro que eu adorava, tinha o formato da Chapeuzinho Vermelho que carregava um potinho de mel de plástico preso numa cordinha dourada. Minha mãe comprou uma coleção linda e enorme com capa e páginas duras com títulos como "Viagem pelo Brasil do Indiozinho Amazonas" além de histórias clássicas como Pinóquio com o traço moderno dos anos 60 nos desenhos.

 

Outros livros inesquecíveis eu lia na casa da minha avó, tinham sido do meu pai, li o "Elefante Basílio" de Érico Veríssimo, um que tinha o Mickey com o traço antigo, além de "Geografia de Dona Benta" de Monteiro Lobato em uma edição muito antiga, além dos livros que não eram infantis como um da vida dos animais - esse era fonte de histórias que minha avó inventava-  que tinha gravuras muito bonitas.

 

Lá em casa outros nada infantis também chamavam nossa atenção como "A Enciclopédia Médica do Lar" e a "Enciclopédia Sexual", ali do lado de Histórias Bíblicas e um de Língua Portuguesa com umas gravuras que me davam medo, o religioso com figuras assustadoras como a cabeça de João Batista e o de português com umas imagens greco-romanas estranhas.

 

O primeiro paradidático que li foi "Juca de Bicicleta" de Maria Clara Machado  na primeira série em 74, o livro tinha sido impresso antes da reforma ortográfica e tinha palavras com acentos como "êle" e "estrêla" e minha professora Cláudia pedia para que riscássemos os sinais. 

 

 

O primeiro livro que comprei com meu dinheiro foi "Confesso que Vivi" do Neruda, em 1985 numa feirinha de livros na Cinelândia, com meu dinheiro comprei também livros para minha irmã mais nova, "Milena Morena e as fadas desencantadas" que ela detestou porque era muito bobinho e "A Gangue do Beijo" de José Louzeiro e "Vito Grandam" do Ziraldo que ela adorou.

 

Futucava a biblioteca da faculdade e foi nela que encontrei "Cem Anos de Solidão" e fiquei  doida com  a história, nessa época andava sempre com um livro debaixo do braço. Acho que foi  nesse tempo que passei a dormir sempre com um livro do lado, às vezes dois ou três e a mania contagiou meu filho que também não dorme sem ler um pouco antes.

 

Ele, aliás, é um leitor muito mais voraz que eu, já me passou a frente em quantidade e qualidade faz alguns anos e fico feliz em ter perdido essa "disputa", mas falar sobre ele e os livros deles é conversa pra muitas páginas. Agora tem também Dorinha que começa a ler e ter suas preferências.

 

Acabei de ler "Amor e Dedinhos de Pé" de Henrique de Senna Fernandes e comecei "Mulherzinhas" de Louisa May Alcott, na fila está "A Janela de Esquina do Meu Primo" de E.T.A. Hoffmann e "Memórias de Eugênia" que vou trabalhar com alunos, além da releitura de "Quase Memória" do Cony. 

 

Essa conversa de livros veio à tona porque o tal vale-cultura virá de novo, parcos quinhentos reais que suscitaram tanta discussão entre comprar livros e ir ao teatro e cinema ou comprar panelas e alguns quilos de feijão com arroz. Pouquinho, dá para comprar pouco mais de doze livros, considerando uma média de quarenta reais por livro. Pouquinho,mas ajuda a estante.

 

A conversa serviu para matar saudade de alguns livros queridos que estavam guardados no fundinho da memória. Se não me definem, os livros fazem parte da minha história e isso não é um problema.

 

 

sinto-me:
música: Livros- Caetano Veloso
tags: ,
publicado por Ana Paula Motta às 05:04
link do post | comentar | | | favorito

Sábado, 7 de Março de 2009

O Luís me passou esse desafio e não digo que não...

No livro que tenho mesmo à mão (Poesia Completa), Mário Quintana, na página 421 a 5ª frase completa:

“Fecha-se a porta do poema e saio para a rua:”


Frase não sei se oportuna, não sei se adequada.

Talvez fechando o poema fosse completá-lo no meu bloco de notas meio roxo meio rosa ou quem sabe sonhá-lo no travesseiro azul.

E o desafio segue para:

Natália Augusto

Pinguim

Rodrigo Rosselini

Neto Cordeiro

Ivan Mota

Pedro Mota



tags: ,
publicado por Ana Paula Motta às 23:47
link do post | comentar | ver comentários (7) | | | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


últ. comentários
Rs, muita tinta
Sofre do mesmo pânico: os espelhos e os fios branc...
Obrigada, pela visita. O filme é mesmo muito bom.
Já vi e adorei o filme :)
No Rio de Janeiro.
Ahahahaha!
E em que sítio do Brasil fica essa biblioteca?
Obrigada, Aninha. O que seria de mim sem as amigas...
Amanhã é um outro dia e o sol volta a brilhar, que...
Gosta de escrever textos sobre e Televisão? Tem id...
Wal , sempre tão atenciosa e carinhosa e eu em fal...
A doce Aninha enfeitando minha tarde de domingo.Bj...
Aninha, esse micro conto nasceu de lembranças e ta...
Haja o que houver, essas duas lágrimas fujonas são...
Shayana, obrigada pela visita e pelo comentário. B...
Ana gostei muito...
Um dia Ana, tb acredito nisso :-)um abraço deste l...
Wal sempre tão atenciosa e carinhosa nos comentári...
Ana, ainda vamos ver um filme desses juntas, com u...
Ana, foi esse momento do filme e do teu conto!! En...
Partilhar no Facebook
Partilhar
Visitas
widgeo.net
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro