Blog pessoal de Ana Paula Motta

Quinta-feira, 25 de Abril de 2013

 

 

Minha alma ainda dormia

Meu corpo ainda dormia

Em abril, meio do dia

Sua alma me seguia

Seu corpo me queria

Em abril, meio do dia

Minha alma se perdia

Meu corpo te pedia

Em abril... Meio do dia

 

sinto-me:
publicado por Ana Paula Motta às 01:04
link do post | comentar | | | favorito

Sexta-feira, 19 de Abril de 2013

 

 

 

Só agora, doze dias depois é que consigo escrever sobre o assunto. Foram quase trinta anos de amizade. Nos conhecemos na adolescência, ele com catorze e eu com dezessete. 

 

Durante todo esse tempo passamos a maior parte em cidades diferentes e mesmo assim não perdemos a afinidade, o afeto, a cumplicidade. Gostávamos de fazer tanta coisa juntos, futucar lojas baratas atrás de coisas bonitas, tomar café, bater perna sem hora marcada, ir à praia (nossa última ida furou), ir a museus, beber chopp e ir ao cinema (assistimos de tudo e vimos pelo menos dois do Homem Aranha juntos).

 

Brigamos algumas vezes, mas no outro dia estava tudo bem. Foi no seu ombro que chorei em muitos dias, era você que conhecia meus medos.

 

Agora você nos deixou. Ficam as lembranças de tanta coisa. Tenho tanto pra dizer, mas lembrar dói,  escrever está difícil, talvez um dia.

 

 "Quando o verão morre, as amoras vestem-se de luto." Albano Martins



sinto-me:
música: Le Fabuleux Destin d'Amelie Poulain - la valse d'amelie
publicado por Ana Paula Motta às 16:26
link do post | comentar | | | favorito

Domingo, 13 de Janeiro de 2013

 

Não gosto de fazer planos para as férias, deixo que as coisas aconteçam, sem expectativas, sem decepções.

 

Prometo apenas descansar e isso quase sempre consigo, além de alguns mergulhos em praias e piscinas.

 

Férias para mim rimam com leitura, comecei bem, li três livros em sequência, no entanto a internet tem atrapalhado uma releitura, para ser


mais precisa, o Facebook tem atrapalhado e já penso em uma maneira de deixá-lo de lado por um tempo.

 

Gosto de ler notícias, passar os olhos nas caixas de e-mail e depois mergulhar na leitura e só consigo fazer isso sem acessar a rede social.


Aquilo parece uma praça cheia, onde todos te solicitam, mostram fotos, discutem política e religião.

 

Vou tentar me concentrar na minha releitura de Os Maias e fazer coisas como arrumar gavetas.

 

Boas férias para mim.

tags:
publicado por Ana Paula Motta às 01:31
link do post | comentar | | | favorito

Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2012

Sentia uma dor funda, dessas que começam na garganta e descem até o diafragma. Era mais que um nó.


Noite de céu estrelado, mas seus olhos só viam bruma e a alma sentia frio.


A leitura não confortava. O filme água com açúcar atiçava as lágrimas, e uísque não era adequado, segundo suas regras.


Sentiu saudade do tempo em que rezava o rosário, fazia promessas e pedia ajuda ao céu. Não mais. Nada mais.


A dor insistia, curta como seus parágrafos. Espasmos.


Trocou os lençóis. Pensou em fazer uma limpeza geral. Só conseguia enfrentar tarefas árduas no auge da felicidade.


Para livrar-se parcialmente da mágoa, ligou a ducha e deixou a água fria correr com as lagrimas mornas.


"Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu" Chico Buarque em Eu te amo



sinto-me:
música: Eu te amo- Chico Buarque
publicado por Ana Paula Motta às 03:58
link do post | comentar | | | favorito

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

 

                                    13 de novembro de 2012- 10 h da manhã

 

 

 

 

   O dia se esqueceu de amanhecer. O sol não nasceu, a covardia do dia trouxe medo. Medo de não ter coragem também eu de despertar.
    Nove da manhã, o céu escuro, as luzes acesas, a chuva intermitente.Despertei aos poucos, seguindo a preguiça imposta pela manhã anoitecida.
    O dia parecia nao correr, arrastava-se mau humorado.
    Sem telefone, sem internet.
    Sete da noite, o céu alaranjado forjava a aurora, intenção interrompida pela chuva fina.
    Um dia-noite passado em cinzentas nuvens.
    Quando hoje virou ontem o sono fugiu. De novo sem coragem. Os olhos teimam em permanecer abertos.

    O dia que não começou se recusa a terminar.

 

 

sinto-me:
tags:
publicado por Ana Paula Motta às 01:48
link do post | comentar | | | favorito

Terça-feira, 6 de Novembro de 2012

Há palavras que brotam doloridas, como botas pisando o peito.  Talvez por isso as aborte, tente calá-las...

Até que se comportem.

sinto-me:
publicado por Ana Paula Motta às 14:54
link do post | comentar | | | favorito

Segunda-feira, 24 de Setembro de 2012

Em todos esses anos, nada foi capaz de tirar-te de dentro de mim- nem mesmo tu.

 

música: Tatuagem- Chico Buarque
tags:
publicado por Ana Paula Motta às 03:55
link do post | comentar | | | favorito

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2012

 Clique na imagem para ampliá-la.

publicado por Ana Paula Motta às 21:01
link do post | comentar | | | favorito

Quinta-feira, 13 de Setembro de 2012

"Na sacada dos sobrados
Da velha são Salvador
Há lembranças de donzelas
Do tempo do Imperador"

Em manhãs tão lindas é melhor falar pouco, ouvir os sons e admirar as cores que pintam o céu.

sinto-me: Ensolorada
música: Trem das Cores
publicado por Ana Paula Motta às 14:40
link do post | comentar | | | favorito

Quinta-feira, 2 de Agosto de 2012

Enquanto o novo texto não fica pronto deixo aqui essa música que é perfeita para essa noite.

tags: ,
publicado por Ana Paula Motta às 03:28
link do post | comentar | | | favorito

Domingo, 15 de Julho de 2012

Minha amiga Maria Alice não é exatamente vaidosa, não gosta de salões de beleza e nem acha fundamental ter as unhas pintadas, mas tem seu charme e adora uma revista de moda.

 

O tailleur do título usava frequentemente por causa do trabalho num ambiente muito formal. A roupa era o menor dos males e ela até gostava de desfilar com mais formalidade pelos corredores vez ou outra.

 

O grande problema da minha amiga foi suportar os workaholics, os compulsivos por trabalho. Criativa por excelência sentia palpitações, desânimo, calafrios e tinha o estômago revirado como se fosse atacada por doença grave toda vez que se via trancada naquele ambiente hostil.

 

Abandonou sua arte, não ia mais ao cinema, há meses não sabia o que era uma exposição e todas as noites adormecia nas primeiras páginas do livro que tentava ler.

 

Durante meses pensou em largar tudo, ameaçou fazê-lo mais de uma vez. A coragem veio em meio a uma ótima notícia e a mais um aborrecimento no trabalho.

 

Acordou feliz numa manhã de céu cinzento, para ela é novamente primavera.

Quando mudam as estações

Renasce a vida

Em cores

Em flores

Em laços

Em nós...

tags:
publicado por Ana Paula Motta às 02:25
link do post | comentar | | | favorito

Sexta-feira, 8 de Junho de 2012

 

Apesar do dia nublado e chuvoso, amanheci feliz, é primavera em mim.

Meu coração canta.

 

 

 

publicado por Ana Paula Motta às 16:47
link do post | comentar | | | favorito

Sábado, 2 de Junho de 2012

O clarão azulado se mostra através da vidraça, anima e colore a noite quente.

O som autoritário do trovão quebra a monotonia da sexta-feira à noite.

Adoro tempestades. Lavam a alma.

sinto-me:
música: Chove chuva
publicado por Ana Paula Motta às 03:34
link do post | comentar | | | favorito

Quinta-feira, 3 de Maio de 2012

“Uaaaal, esse vestido é a própria primavera.”

Sorriu ignorando a leve ironia, irradiava alegria como as flores em diversos tons, do azul lavanda ao roxo e devolveu com a frase: “Sou a tua primavera.”

É incrível como certas frases, que sabem lamechas em qualquer outro contexto, soam tão naturais entre amantes.

Justificou o atraso de mais de uma hora com uma dor de cabeça lancinante, que não combinava nem um pouco com a aparente disposição e o rosto feliz. Talvez fosse a única mulher no mundo disposta a um encontro amoroso mesmo assim.

 Aninhou-se no peito e sentiu-se como se nada de mal pudesse acontecer, era assim desde sempre, um dia lindo de primavera.

 

 

sinto-me: Na primavera
música: She
publicado por Ana Paula Motta às 21:10
link do post | comentar | | | favorito

Quarta-feira, 25 de Abril de 2012

De que calada maneira
Você chega assim sorrindo
Como se fosse a primavera
Eu morrendo
E de que modo sutil
Me derramou na camisa
Todas as flores de abril

 

publicado por Ana Paula Motta às 03:33
link do post | comentar | | | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


últ. comentários
Rs, muita tinta
Sofre do mesmo pânico: os espelhos e os fios branc...
Obrigada, pela visita. O filme é mesmo muito bom.
Já vi e adorei o filme :)
No Rio de Janeiro.
Ahahahaha!
E em que sítio do Brasil fica essa biblioteca?
Obrigada, Aninha. O que seria de mim sem as amigas...
Amanhã é um outro dia e o sol volta a brilhar, que...
Gosta de escrever textos sobre e Televisão? Tem id...
Wal , sempre tão atenciosa e carinhosa e eu em fal...
A doce Aninha enfeitando minha tarde de domingo.Bj...
Aninha, esse micro conto nasceu de lembranças e ta...
Haja o que houver, essas duas lágrimas fujonas são...
Shayana, obrigada pela visita e pelo comentário. B...
Ana gostei muito...
Um dia Ana, tb acredito nisso :-)um abraço deste l...
Wal sempre tão atenciosa e carinhosa nos comentári...
Ana, ainda vamos ver um filme desses juntas, com u...
Ana, foi esse momento do filme e do teu conto!! En...
Partilhar no Facebook
Partilhar
Visitas
widgeo.net
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro